EXPOSIÇÕES


Warning: Attempt to read property "post_excerpt" on null in /home/u518074801/domains/goyazes.art.br/public_html/wp-content/themes/goyazes/single-exposicoes.php on line 33

Cotidiano – Onde não há grandes coisas a ver

Ana Póvoas

Benedito Teodoro dos Santos, Seu Bené, é o capitão da congada que se apresenta na cidade de Pirenópolis durante as festividades religiosas nos cortejos de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário. Natural de Itaúna, MG, hoje vive em Ouro Verde- Go em uma casa simples. Esse ensaio fotográfico vai além do grupo de congada. Em casa, seu local cotidiano – “onde não ha grandes coisas a ver”, pude adentrar e fotografa-lo no âmbito do lar: lugar intimo, de luta e resistência. Teve almoço, oração e gratidão. Pessoas de outros lugares comeram também, eram membros da congada, todos uma grande família. O retrato pintado de seus pais, em destaque na sala, foi motivo de comoção, uma memória presente de um coração conformado. Seu Bené chorou ao falar da saudade, contou desde menino em Minas, do pai e da mãe e também do trabalho na lavoura. Isso não pude ver, é sentimento e memória; trago aqui neste ensaio, obscuras evidencias nos recortes da casa feitos através do olhar fotográfico: o retrato dele posando junto ao retrato dos pais, os flagrantes junto aos demais que estavam presentes, os objetos que estão ali e compõem uma biografia grandiosa, “onde não há grandes coisas a ver”.

Ana Póvoas 

 

 

- H ÀS H /

VEJA OUTRAS EXPOSIÇÕES

  • Luiz Braga

    Retumbante natureza humanizada

    Trata-se de uma edição profunda, que levou seis anos de pesquisa na obra do paraense Luiz Braga feita por Diógenes Moura. Recebeu o Prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de melhor exposição de fotografia, em 2014. Traz um conjunto com cerca de 100 imagens que privilegiam trabalhos realizados entre 1976 e 2014, tendo grande...

    [Ver +]
  • Márcio Vasconcelos

    Visões de um poema sujo

    Visões de um Poema Sujo não trata apenas de fotografia. Trata de existência. É uma procura dentro de um Poema Sujo que foi escrito em 1975, quando o poeta Ferreira Gullar estava no exílio. É como um retrato. E um retrato será sempre um veredicto. “Interpretar” um poema pode levar ao suicídio. É abismo, natureza em chamas. Ainda mais num...

    [Ver +]
  • Coletivo olhares do cerrado

    Devotos e bandeiras

    O sincretismo religioso em Goiás, ligado à colonização portuguesa e à presença africana, revela forte reflexo até os dias de hoje dessa realidade. Pirenópolis e a Cidade de Goiás talvez sejam as maiores expressões do tradicionalismo cristão, com as famosas Festas do Divino Espírito Santo, Cavalhadas e comemorações da Semana Santa, como...

    [Ver +]
  • Luis Elias

    Cora Coralina. Uma janela para o mundo

    Coralina, a doceira que desafiou as convenções de seu tempo na juventude, e ainda tornou-se poeta ao ultrapassar a barreira dos setenta anos de idade sendo assim identificada e louvada por Carlos Drummond de Andrade, tem o alcance que poucos merecem. Imagino que Cora consagrou-se porque seus poemas cantam a cultura da terra goiana, sua sociedade,...

    [Ver +]
  • Divino Sobral

    J. CRAVEIRO: O HOMEM, A CIDADE E A PAISAGEM

    A exposição monográfica J. Craveiro: o homem e sua cidade apresenta cerca de 60 fotografias executadas por um dos pioneiros da fotografia em Goiás: Joaquim Craveiro de Sá (Cidade de Goiás, 1885 - Goiânia, 1972). Amante da arte de fotografar, trabalhou entre 1911 e 1915 tendo como equipamento uma máquina Sanderson Tropical, de fabricação inglesa,...

    [Ver +]
  • Keith Tito

    Samuel Costa: Imagens do Brasil

    Samuel Costa foi um fotógrafo goiano, que na década de 1970, mudou-se para Paris e por lá se profissionalizou. Nesta tese ele é compreendido como sujeito histórico e social que durante o seu percurso, produziu imagens que dialogaram com o seu modo de ser e estar no mundo. O seu arquivo está sob a guarda do Museu da Imagem e do Som de Goiás. Possui...

    [Ver +]
  • Eustáquio Neves

    Fronteiras Cotidianas na Vida do Negro

    A ideia do deslocamento no meu trabalho está relacionada com o efeito das imagens de pessoas negras, imagens essas criadas para tornarem essas pessoas as vezes invisíveis ou menos humanas ao longo dos tempos, desde a invenção da fotografia e, busco com isso romper e descolonizar essa pratica como autor negro. O livro “Decolonizing the Câmera:...

    [Ver +]
  • Flávio de Lacerda Edreira

    I FORGET TO REMEMBER

    Eu acho que tive um sonho. Eu não me lembro. Eu não me lembro. Vivo sonhando acordado. Me perco. Tenho medo da minha própria memória. Tudo parece ser sempre tão estranho. Experimento constantemente sentimentos de familiaridade quando encontro uma imagem que compartilha semelhanças com algo que já vi ou vivi antes. É uma memória, uma cena ou...

    [Ver +]
  • Weimer de Carvalho Franco

    Viagem

    Série de fotografias, feitas durante a pandemia, mostra a circulação de automóveis em um trecho da BR-153, que liga Goiânia a Brasília....

    [Ver +]
  • Cecilia Araújo

    Carreiros

    Em um cenário de globalização, onde a cultura dos grandes centros urbanos se coloca como hegemônica, grupos tradicionais e suas vivências são, geralmente, invisibilizados ou vistos como atrasados, pertencentes a uma temporalidade supostamente superada, à margem das sociabilidades consideradas legítimas....

    [Ver +]
  • Guilherme Soares de Albuquerque

    O corpo é bom para pensar

    O ano é 2020 e estou na Chapada dos Veadeiros, cerrado-território berço das águas localizado no Brasil central. Este é um ato auto performático da vontade de ser-estar natureza, mas como sendo meu próprio corpo a paisagem que se degrada de entulhos, lixos e carcaças rejeitadas em meio ao caminho que ora se apresentam como desvios pelos quais...

    [Ver +]