EXPOSIÇÕES

Devotos e bandeiras

Coletivo olhares do cerrado

O sincretismo religioso em Goiás, ligado à colonização portuguesa e à presença africana, revela forte reflexo até os dias de hoje dessa realidade. Pirenópolis e a Cidade de Goiás talvez sejam as maiores expressões do tradicionalismo cristão, com as famosas Festas do Divino Espírito Santo, Cavalhadas e comemorações da Semana Santa, como a Procissão do Fogaréu. No entanto, por todo Goiás, fervilham expressões populares, como as Congadas em Catalão, a Romaria de Nossa Senhora do Muquém em Niquelândia. Em Trindade, o Santuário do Divino Pai Eterno reúne mais de 2 milhões de fieis, incluindo centenas de carreiros e seus carros de boi, sendo a segunda maior festa cristã do Brasil.

DEVOTOS E BANDEIRAS  trata de um de recorte fotográfico neste cenário, uma pesquisa visual a respeito da arte e religiosidade vivida em Goiás. De forma mais poética que documental, o Coletivo Olhares do Cerrado, há mais de 4 anos, fotografa estas manifestações e nesta mostra, revela na intimidade, expressões e reflexões simbólicas de seus devotos, suas bandeiras e suas crenças. Uma visualidade impregnada por aspectos etnográficos de Goiás, traduzindo um sentimento pastoril, singelo, idílico, sem deixar de ser universal. 

Curadoria: Wagner Araújo

A exposição permanece aberta gratuitamente ao público, das 09:00 às 22:00, até o dia 12/10/2017.

03/09/2017 - 20:30H ÀS 22:00H / Vila Cultural Cora Coralina

VEJA OUTRAS EXPOSIÇÕES

  • Luiz Braga

    Retumbante natureza humanizada

    Trata-se de uma edição profunda, que levou seis anos de pesquisa na obra do paraense Luiz Braga feita por Diógenes Moura. Recebeu o Prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de melhor exposição de fotografia, em 2014. Traz um conjunto com cerca de 100 imagens que privilegiam trabalhos realizados entre 1976 e 2014, tendo grande...

    [Ver +]
  • Márcio Vasconcelos

    Visões de um poema sujo

    Visões de um Poema Sujo não trata apenas de fotografia. Trata de existência. É uma procura dentro de um Poema Sujo que foi escrito em 1975, quando o poeta Ferreira Gullar estava no exílio. É como um retrato. E um retrato será sempre um veredicto. “Interpretar” um poema pode levar ao suicídio. É abismo, natureza em chamas. Ainda mais num...

    [Ver +]